quinta-feira, abril 12

Caminhando e Contando para Adultos: "A Cigarra Estourada"

Mais uma história no Caminhando e Contando para ADULTOS!

"A Cigarra Estourada"

Ah, um recado importante: 
Você, adulto, escute antes de mostrar a sua criança, ok? Depois, decida se ela pode ouvir ou não. Combinado?

Pronto. Agora sim. Vamos conferir?! 

Clica aqui ó:




Até a próxima!
Elaine Cunha

quinta-feira, abril 5

"Eu conto!"

Hoje eu trago uma mega dica para usar com as crianças e adultos também, porquê não? :)

O Jogo "Eu conto!" criado pela Associação Viva e Deixe Viver é um excelente recurso para contar histórias. Permite a participação ativa de crianças e adultos na criação da história. Neste vídeo apresento o recurso e narro uma "história louca" com meu filho.

Agora é com você! Solte a imaginação! 




Até a próxima! 

Elaine Cunha


quinta-feira, março 22

Caminhando e Contando para Adultos: A coisa mais Bela do Mundo!

Olá! Tenho novidade!

Uma nova seção no Caminhando e Contando. Uhu!
Estou tão feliz! Você não tem nem ideia! E espero que você goste tanto quanto eu!

São histórias especialmente para os ADULTOS! Isto mesmo. Você adulto, que acompanha nosso canal. Histórias escolhidas "a dedo" para você. Isto não quer dizer que sua criança não possa ouvir, tá? Contudo serão histórias mais densas. minha sugestão é que você escute primeiro e decida se sua criança poderá ouvir. Combinado? 

Venha e se surpreenda! 
Com vocês, Caminhando e Contando para Adultos

Uma história sobre o que realmente é "A coisa mais bela do mundo"



Até a próxima!
Elaine Cunha


quinta-feira, março 15

O que tem dentro do baú?

Quinta-feira! Uhu! Dia de Histórias! Fico tão feliz em novamente estar aqui! 

Hoje trago uma história curtinha dos Irmãos Grimm que li no livro "Baús e Chaves da Narração de Histórias", organizado pela Gilka Giraderllo, pela editora SESC Santa Catarina.

Tá pronto para ouvir uma história?



Agora me conta você, o que tem dentro daquele baú?

Até a próxima!
Elaine Cunha

terça-feira, março 13

Nas Asas do Senhor!

Um mês. Em um espaço de 30 dias é possível que nossa vida gire 180°? Ô se é. Eu que o diga!

Descobrimos uma nova gravidez e foi uma benção. Felicidade era nosso nome. Alegria estampada no rostinho de todos. Principalmente no filhote. Lembra que te contei da minha gravidez de Pedro com um conto? (Caso queria relembrar, clica aqui) Então, tinha uma vontade imensa em narrar mais uma vez este lindo conto para expressar este momento de alegria.

Mas, passamos por um tsunami, com ondas imensas que chegam sem nos avisar e levam nossos sonhos... Foi preciso um processo de recolhimento natural... Perda. Luto.

Acredito que você já saiba que eu narro por amor. Sou tão intensa em tudo que faço que,  às vezes, meu olhar “denuncia” minha ausência... 

No meio deste caminho de recompor-se, gravei uma história. E quando enviei a alguns amigos próximos, unânime foram as palavras de:

“- Bela história, Elaine. Mas tá faltando VOCÊ ali”. Seu olhar tá longe!" 

Foi exatamente aí que percebi que precisava me resguardar. E assim, eu fiz.  Não escrevi, não narrei, não gravei...  Sinto muito. Precisava ser honesta comigo (em me permitir vivenciar meu luto) e contigo (apresentar a você a melhor história que posso te contar).

 “Faça o teu melhor, na condição que você tem, enquanto você não tem condições melhores, para fazer melhor ainda!”
(Mario Sergio Cortela)

Assim eu fiz! Reverberei dentro de mim uma história que acalentou meu coração deste a primeira vez que a ouvi. É um conto que fala da transformação da águia. De um doloroso processo de renovação... 

Comecei a estudar. E neste processo, viajei pelos cenários, senti cheiro, sabores, escutei sons, as angústias e a vitória... Tudo para que no meu narrar você sinta cada etapa desta transformação. Para que minha fala transforme-se em minha verdade. Foi exatamente aí que percebi que a transformação da citada história não é daquela forma! Toda aquela transformação que nos encoraja não é verdadeira. Caso queira entender, veja aqui a
explicação. 

Contudo, não deixa de ser uma fonte de animo e coragem. Amo a licença poética! Para mim, tudo bem. Sabe por quê? As histórias nos ensinam. As histórias nos curam. Esta, em especial, ensina-me a que a renovação é necessária, possível. E não importa a quão dolorosa ela seja. O final será surpreendente.

"Q
uem canta ora duas vezes" já dizia Santo Agostinho. Convido você a ouvir a Celina Borges, em sua música “Nas Asas do Senhor”,  cantando lindamente com o Pe. Fábio de Melo. Música que refletiu meus passos com o Senhor.





Nas Asas do Senhor



"Sei que os que confiam no Senhor
Revigoram suas forças, suas forças se renovam
Posso até cair ou vacilar, mas consigo levantar
Pois recebo d'Ele asas
E como águia, me preparo pra voar
Eu posso ir muito além de onde estou
Vou nas asas do Senhor
O Teu amor é o que me conduz
Posso voar e subir sem me cansar
Ir pra frente sem me fatigar
Vou com asas, como águia
Pois confio no Senhor!
Sei que os que confiam no Senhor
Revigoram suas forças, suas forças se renovam
Posso até cair ou vacilar, mas consigo levantar
Pois recebo d'Ele asas
E como águia, me preparo pra voar
Eu posso ir muito além de onde estou
Vou nas asas do Senhor
O Teu amor é o que me conduz
Posso voar e subir sem me cansar
Ir pra frente sem me fatigar
Vou com asas, como águia
Pois confio no Senhor!
Que me dá forças pra ser um vencedor
Nas asas do Senhor
Vou voar! Voar!"

Sim, cai, vacilei, mas consegui me levantar. Chorei. Fiquei triste. Um vazio... 
E pela minha Fé, não busquei os porquês. Busquei o ensinamento da lição... 

Segui. Hoje com coração mais leve te digo: nosso Pai sempre cuida de nós. Gratidão! E com toda certeza, estávamos e estamos, sempre, amparados pela Espiritualidade amiga. E como diz Pedro, o irmãozinho voltará. Sim, chegará quando todos nós estivermos prontos e mais fortalecidos. Fé. 

E com as novas asas que recebi do Senhor, confiei nos seus desígnios. E minhas forças foram renovadas. Sigo a voar! Voar! Voar! Nas asas do Senhor. 

Então, agora posso te perguntar: 

Está pronto para mais uma história? Porque Eu estou!

Até a próxima
Elaine Cunha